segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Galeria dos Mártires - Massacre de Aurora 8 de Outubro

MASSACRE DE AURORA 8 DE OUTUBRO
GUATEMALA * 05/10/1995

Massacre de Aurora. O exército guatemalteco assassina 11 camponeses na comunidade “Aurora 8 de Outubro”, para reprimir o retorno dos refugiados exilados no México.

Em 05 de outubro a história de sangue é repetida para 140 famílias guatemaltecas que havia retornado do exílio no México e que vivem em uma cooperativa organizada em Xaman propriedade no município de Chisec, Alta Verapaz, Guatemala.

Ao meio-dia de 5 de outubro uma patrulha do Exército entraram nas terras da cooperativa e depois de algumas palavras com os colonos abriram fogo, matando ali 10 pessoas, duas mulheres, duas crianças e seis homens e ferindo pelo menos outras 13 pessoas. Um dos feridos morreu no dia seguinte. O massacre é o mais grave ocorrido no país desde o massacre de 13 indígenas em Santiago Atitlan, Solola, cinco anos antes.

A comunidade “Aurora 08 de outubro”, consiste em um grupos familiares de Q'eqchi, que faziam parte do grupo de ex-colonos da fazenda. Muitos deles foram vítimas da repressão de 1982, o que os obrigou a se refugiarem no México, incluindo alguns sobreviveram aos massacres.

Retornando em 1994 para a Guatemala, eles decidiram que o nome de sua comunidade seria Aurora 08 de outubro porque sentiu que era uma primeira comunidade, como um novo amanhecer para eles, neste lugar que era dos patrulheiros civis.

No total, voltaram do México cerca de 90 famílias que se juntaram as outras 50 que já vivem no local, dando a todos uma quantidade igual de terra. Em 5 de outubro de 1995, dia do massacre, os moradores preparavam a celebração do primeiro aniversário de formação da sua comunidade e a comemoração da assinatura dos Acordos de 8 de Outubro de 1992 entre o Governo da Guatemala, representado pelo Comissão nacional de repatriados, Refugiados e guatemaltecos deslocadas (CEAR), e das Comissões Permanentes da Guatemala de Refugiados no México (CCPP), pelo que reconheceu a “natureza civil e pacífica de retorno da população retornada”.

O retorno desta comunidade ocorreu no período das negociações de paz entre as partes, coincidindo com o momento da instalação da Missão de Verificação das Nações Unidas (MINUGUA), que foi verificar o cumprimento, pelas Partes, do Acordo Global de Direitos Humanos.

Em 03 de outubro de 1995 uma patrulha militar comandada por um tenente do Exército da Guatemala e com 26 soldados, incluindo um menor, deixou o destacamento de Rubelsanto, pertencente à zona militar 21, localizado em Coban, Alta Verapaz . Antes da partida, a patrulha já tinha planejado passar pela entrada da fazenda Xaman.

Os moradores da comunidade questionaram a presença dos militares na região, houve um bate boca com os camponeses e em seguida o massacre.

Representante da ONU acusou o exército de realizar a matança premeditada.

O ministro da Defesa se demite e foi destituído o comando da zona militar de Cobán.

Abaixo os nomes dos camponeses assassinados:
Abel Pérez Ramírez
Andrés Miguel Mateo
Carlos Fernando Chop Chip
Hilaria Morente de la Cruz
Juana Jacinto Felipe Manuela Mateo
Antonio Pablo Coc Coc
Pablo Coc Coc
Francisco Hernandez
Pedro Diego Andrés
Pedro Medina Sánchez
Santiago Pop Coc

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário