sexta-feira, 24 de abril de 2015

Galeria dos Mártires - Pe. Joaquim Vallmajó

JOAQUIM VALLMAJÓ
Missionário e Mártir
RUANDA * 26/04/1994

Joaquim Vallmajó, nasceu em Navata, Espanha, filho de agricultores, o quarto filhos de seis irmãos. Pertencia a Ordem dos Missionários da Africa (Padres Brancos). Ordenou-se sacerdote em 1965 e logo partiu em missão para Ruanda, África.

Em 26 de abril de 1994, o padre Quim, como era conhecido, foi assassinado na cidade de Byumba, no norte de Ruanda, após servir por quase trinta anos este país Africano dos Grandes Lagos. Considerado um missionário e lutador incansável pela vida e a dignidade dos refugiados no país Africano.

No início dos anos noventa, deu início a organização guerrilheira Frente Patriótica Ruandesa (RPF), uma das facções em guerra em um conflito armado e violento que teve terríveis consequências para a população civil deste pequeno país.

Neste país devastado pela guerra, de pessoas humildes e despossuídas, é que levou o padre Quim a se posicionar em favor do povo e trabalhar para melhorar a vida de milhares de agricultores ameaçados por dificuldades econômicas e da guerra. 

Ele era uma voz crítica e discordante, e denunciou os abusos de poder e violações dos direitos humanos que foram cometidos em um confronto longo e complexo que foi além das supostas diferenças étnicas entre os principais habitantes do Ruanda, o Hutus e Tutsis. Esta atitude ética, em conformidade com as suas convicções religiosas, o fez uma pessoa marcada pelos seu compromisso com o povo.

Depois de um sangrento Abril de 1994, em que centenas de milhares de pessoas foram mortas e muitas outras tiveram de se refugiar em zonas fronteiriças de países vizinhos, especialmente no antigo Zaire, onde massacres e perseguições continuaram no contexto do exílio e deslocamento forçado. 

Entre 1988 e 1994, manteve uma estreita relação com o grupo Anistia Internacional Alt Empordà, o envio de relatórios e alegações de graves violações dos direitos humanos cometidas em Ruanda e, por extensão, a região dos Grandes Lagos africano, isso lhe custou a vida.

Padre Quim foi um desses construtores de paz que está totalmente integrado no coração do povo ruandês, ele apoiou o povo até o fim, até o sacrifício supremo. 

Algumas frases do padre Quim:

"A aplicação de certos princípios dos "direitos do homem rico e poderoso" são a causa do aumento de refugiados em todo o mundo". Maio de 1989.
  
"Eu não tenho medo! Eu digo a você; ser cercado por crianças famintas, doentes e pobres sobre palafitas faz você sem medo". 23 de junho de 1992.

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada

Nenhum comentário:

Postar um comentário