segunda-feira, 13 de abril de 2015

Galeria dos Mártires - Irmã Adelaide Molinari

IRMÃ ADELAIDE MOLINARI
Mártir dos Pobres da Terra
MARABÁ – PA * 14/04/1985

30 ANOS DE SEU MARTÍRIO
                 
Irmã Adelaide Molinari, filha dos agricultores, Salvador e Cecília Molinari, nasceu em Garibaldi-RS, no dia 02/02/1938, mudando-se, ainda menina, para Palmeira das Missões-RS. Trabalhava com a família na roça. Aí descobriu sua vocação religiosa. Com o apoio de seus pais, foi morar com as Filhas do Amor Divino. Estudou. Tornou-se Irmã e assumiu o Carisma da Congregação: estar a serviço dos mais necessitados.

Adelaide foi uma das primeiras Filhas do Amor Divino que se dispôs a trabalhar nas Missões, no Pará. Chegou a Eldorado aos 08 de abril de 1983 com mais duas Irmãs para ser presença da Igreja no meio daquele povo pobre, sofrido e necessitado. 

No domingo, dia 14 de abril de 1985, pelas 15 horas Irmã Adelaide se encontrava na Rodoviária de Eldorado do Carajás, e enquanto aguardava o ônibus para retornar à Casa das Irmãs em Curionópolis, PA, conversava com o Delegado Sindical Arnaldo Dolcídio Ferreira do STR (Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Marabá).

O sindicalista Arnaldo já havia recebido várias ameaças de morte e nesta hora sofreu um atentado à bala que perfurou o seu tórax e atingiu a Irmã Adelaide perfurando uma artéria do pescoço por onde jorrou todo o seu sangue o que a levou à morte instantânea. Arnaldo sobreviveu a este atentado, mas foi assassinado 07 anos mais tarde também em Eldorado do Carajás.

O sangue desta mártir, derramado em terras paraenses, veio unir-se ao sangue de tantos outros, que, a partir de Jesus Cristo já tombaram na luta pelo bem, para que o direito do pobre seja respeitado.

O corpo de Irmã Adelaide foi velado na Igreja Nossa Senhora das Graças, em Curionópolis, PA para onde o povo acorreu durante toda a noite do dia 14 e durante o dia 15 de abril de 1985. O povo expressava seus sentimentos com muita oração e mensagens, como as que seguem:

“Calaram a voz da Irmã Adelaide, mas não calarão a voz de Deus”.
“O assassinato de Irmã Adelaide torna visível a morte que o povo padece”.
“Sempre fiel ao Amor de Jesus, ela deu a vida pelos irmãos”.
“Não pensem que calarão a voz de Deus matando seus profetas”.
“Nunca morre que vive no coração dos vivos. Irmã Adelaide está viva em nossos corações”.

O sepultamento de Irmã Adelaide foi realizado na noite do dia 15 de abril de 1985, numa sepultura ao lado da Igreja Nossa Senhora das Graças, em Curionópolis, PA e a partir do ano seguinte, sempre é realizada uma Celebração Especial chamada de Caminhada Irmã Adelaide, que iniciou com 300 pessoas e já atingiu 3.000 pessoas. Esta Caminhada é realizada sempre no sábado após a Páscoa iniciando na Igreja de Eldorado do Carajás, passando pelo local do martírio e indo até a sepultura, em Curionópolis, um trajeto de cerca de 30 quilômetros. “O caminho transforma os caminhantes. Eldorado do Carajás a Curionópolis se tornou espaço de regeneração em que a cura interior dos que percorrem na fé o caminho é o modo de erguer a cabeça de um povo que não se cansa de procurar a paz”, diz Irmã Angelita Fernandes uma das Filhas do Amor Divino que esteve presente em todas as Caminhadas.

Ainda em 1985, Dom Alano Maria Pena, então Bispo de Marabá, em visita ao Papa João Paulo II, ouviu dele a seguinte frase: “Irmã Adelaide é mártir da justiça”.

Várias das Filhas do Amor Divino do norte encontraram sua referência Vocacional a partir do testemunho de Irmã Adelaide Molinari. Irmã Joselina Gomes da Silva Amaral diz: “A morte da Irmã Adelaide despertou em mim uma profunda experiência do Deus que quer vida plena para todas as pessoas... Decidi responder ao chamado de Deus me comprometendo no seguimento de Jesus Cristo como Filha do Amor Divino”. 

Irmã Joseana Pereira Carvalho, afirma: “Iniciei minha caminhada de formação na Congregação das Filhas do Amor Divino em 1990. Nos primeiros dois anos de formação morei em Curionópolis, PA, local onde Irmã Adelaide está sepultada sob a tutela do povo. Para mim sempre foi significativa a presença das crianças brincando e rezando em torno do túmulo e muitas vezes desfolhando as plantas para colherem flores para enfeitá-lo, sem se importar com as repreensões das Irmãs. Sempre havia uma flor ou vela acesa no túmulo. Isto me marcou... Outra experiência relevante para a minha caminhada vocacional eram as orações que a Comunidade Religiosa fazia no túmulo uma vez por semana refletindo, rezando e bebendo na fonte martirial, tendo presente o testemunho da Irmã Adelaide e de tantos outros mártires da América Latina. Estes momentos de contato com testemunhos radicais de tantos homens e mulheres inquietavam-me a responder SIM ao Deus da Vida...”.

O autor do disparo da bala assassina foi preso alguns anos mais tarde, depois de um inquérito policial conturbado. Mais tarde foi considerado foragido da justiça durante alguns anos e foi finalmente julgado 20 anos após o acontecimento e absolvido por um júri popular marcado por várias irregularidades.

Mas o povo honra a sua memória. Locais públicos, como Escolas, Ruas e organizações populares receberam o seu nome. Monografias foram escritas. Hinos, poemas, acrósticos, paródias e outros textos foram elaborados. Enfim, ela fez e faz História. Merece menção e Avenida em que as Irmãs moraram em Eldorado do Carajás e que era denominada “Av. Major Curió” trocou de nome em 2009, para “Avenida Adelaide Molinari”. 

Em 2010, na Caminhada Jubilar houve outro fato inédito: Na Câmara de Vereadores de Eldorado do Carajás realizou-se uma Sessão Solene em homenagem da Irmã Adelaide e a Província, representada pela Irmã M. Rogéria Cadó, recebeu uma placa de Homenagem Póstuma.

No dia em que Irmã Adelaide foi vitimada ela rezou com o povo da Comunidade de Eldorado do Carajás a seguinte oração:

Escuta ó Pai, a nossa prece.
Teu Filho Jesus venceu a morte e continua vivo no meio das comunidades cristãs.
Que também nós possamos ser forte como Ele.
Que ninguém fuja da luta nem mesmo com ameaça de morte.
Que saibamos ficar atentos às necessidades da comunidade, e que, de hoje em diante, ninguém mais fique sofrendo desamparado.
Alimenta ó Pai, a nossa fé, para que não te neguemos em nossa ação.
Amém.
Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada,
adaptado a partir do texto da Irmã Lourdes Follmann

5 comentários:

  1. Irmã Adelaide não morreu, pois ela continua e continuará viva nas lutas do povo, no nosso coração e a sua fé é a nossa fé. O Seu sangue derramado purifica nossa alma e nos fortalece na caminhada, nos torna forte e guerreiros do amor com foi irmã Adelaide. Por isso obrigado Irmã Adelaide...

    ResponderExcluir
  2. Linda história, um exemplo de entrega pelos menos favorecidos e a luta que não cede nem diante do perigo de morte.

    ResponderExcluir
  3. Linda história, um exemplo de entrega pelos menos favorecidos e a luta que não cede nem diante do perigo de morte.

    ResponderExcluir
  4. Poise e um grande orgulho ser sobrinha tua minha tia exemplo de toda família saiba que estamos aqui na terra na tua terra no teu riu grande do sul no teu são pedro das missões rezo pela senhora todas as noites me emociono quando o vovo cota da senhora conta das vezes que ele sentiu e sente saudades de ti volta para nos minha tia volta para teus irmaos volta pro teu irmão meu vovo adair pra tia neli pro tiu rui pro tiu pedro enfim pra quem te ama o pai sempre fala em ti sei que nao chegou me conhecer mas queria tanto te ver te abraçar te dizer te amo minha tia você e um exemplo para mim volta vem me conhece rever teu irmão adair que hoje ta com 81anos teu sobrinho meu pai wilmar que ta com 50 e te viu pela última vez quando era rapaz hoje o pai te deu mais 4 sobrinhos eu Gabriela a luana a luiza e o Miguel tia eu amo a senhora volta pra nos e tras a nona e o nono junto

    ResponderExcluir
  5. Eu sou Maria Dodt e sábado ágora dia 08/04/2017 falei sobre irmã Adelaide na minha turma de catequese, quando comecei falar dos mártires dá nossa igreja. É me emocionei muito porque nem todos tiveram a oportunidade de ver e conhecer um mártir, é no final do ano de 1984 quando eu estava já a alguns meses morando em Parauapebas-pará, tive a oportunidade de participar de um encontro em Parauapebas na paróquia são Francisco no bairro rio verde. É logo após esse encontro ela foi assassinada. Para mim é uma honra ter morado naquela cidade onde uma mártir dá nossa igreja pisou e morou, sempre que volto a Parauapebas tenho que passar tanto em Eldorado dos Carajás onde ela foi morta quanto em Curionópolis endereço foi sepultada. Irmã Adelaide rogai por nós

    ResponderExcluir