quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Galeria dos Mártires - Jimmie Lee Jackson

JIMMIE LEE JACKSON
Mártir dos Direitos Civis
ALABAMA, EUA * 26/02/1965

Jimmie Lee Jackson, nasceu em Marion, Alabama, uma pequena cidade perto de Selma, em 16 de dezembro de 1938, ainda jovem tornou-se parte do movimento dos direitos civis. Depois de participar de um protesto pacífico no Alabama em fevereiro de 1965, ele foi baleado por um policial estadual. Ele morreu poucos dias depois. 

Em 18 de fevereiro de 1965, Jackson participou a noite de uma marcha pacífica em Marion, realizada para protestar contra a prisão de James Orange, secretário de campo para a Southern Christian Leadership Conference. No entanto, mesmo sendo uma manifestação não-violenta, foram rejeitados pelos segregacionistas que detinham o poder no Alabama. Naquela noite, postes de luz da cidade foram desligados; sob a escuridão, policiais e soldados atacaram os manifestantes com cassetetes,  fazendo com que se dispersassem e fugissem em diferentes direções.

Perseguidos por policiais, Jackson e outros manifestantes entrou em um restaurante chamado Café de Mack. Lá, Jackson foi baleado no estômago por James Bonard Fowler, um policial estadual. Testemunhas contaram que Jackson tinha sido proteger do ataque do soldado por sua mãe e seu avô de 82 anos de idade. James Fowler afirmou ter agido em legítima defesa, justificando que atirou pois Jackson estava com arma, o que não foi confirmado.

Ferido, Jackson foi levado para um hospital local, em seguida, enviado para um hospital em Selma. Ele permaneceu internado no hospital por uma semana. No dia 26 de fevereiro de 1965 morrer devido uma infecção causada pelos tiros. Ele tinha apenas 26 anos de idade. 

Embora ferido, o chefe dos soldados do estado, tinha enviado um mandado de prisão para Jackson enquanto ele estava no hospital, Por outro lado, James Fowler não havia sofrido nenhuma punição ou medidas disciplinares, e foi autorizado a continuar em seu emprego.

A morte de Jackson foi condenado pelos líderes dos movimentos dos direitos civis, como Martin Luther King Jr., que tinha visitado Jackson no hospital-John Lewis e James Bevel. Em 3 de março, Luther King Jr., falou no funeral de Jackson, onde disse que Jackson tinha sido "assassinada pela brutalidade de cada xerife que pratica a ilegalidade em nome da lei."

Sua morte inspirou uma marcha pelos direitos de voto. 

Em 7 de março de 1965, liderança dos movimentos dos direitos civis, seguiram em marcha. Houve resposta violenta aguardando esses manifestantes. Quando chegaram na Ponte Edmund Pettus em Selma, a polícia usou gás lacrimogêneo e cassetetes contra eles. Imagens da violência com o protesto veio a ser conhecido em todo o país como "Domingo Sangrento".

Duas semanas depois de "Domingo Sangrento", outra marcha partiu de Selma. No momento em que os manifestantes chegaram em Montgomery, havia uma multidão de 25.000 pessoas. 

A Lei dos Direitos de Voto foi promulgada em agosto de 1965, garantindo assim aos afro-americanos como Jackson, até então discriminados de votar, os seus direitos garantidos ao voto.

Um comentário: