sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Galeria dos Mártires - Claudio "Poncho" Lepratti

CLAUDIO "Pocho" LEPRATTI
Mártir da liberdade
ARGENTINA * 19/12/2001

Claudio Lepratti nasceu em 27 de fevereiro de 1966 em Concepción del Uruguay, Entre Ríos. Filho de Orlando Lepratti e Dalis Bel, era o mais velhos dos seis irmãos. Sua família vive em Colônia Ceibos que fica a poucos quilômetros de Concepción del Uruguay.

Fez os estudos primários na Escola No. 30 "Alejandro Aguado" e do ensino médio no "Santa Teresita" Concepcion del Uruguay, colégio pertencente à ordem salesiana.

Entre 1983 e 1985, ele estudou Direito na Faculdade de Direito da Universidad Nacional del Litoral como aluno livre. Durante esses mesmos anos Claudio serviu como Cooperador Salesiano.

Em 1986 ele ingressou como seminarista no Instituto Salesiano "Ceferino Namuncurá" da cidade de Funes (Santa Fé) e escolhe a carreira religiosa de "irmão coadjutor".

Cinco anos mais tarde, ele deixou o seminário e se estalou definitivamente na cidade de Rosario. Sua primeira casa fica no bairro Empalme Graneros, e um ano depois se muda para Barrio Ludueña onde ele começa a participar ativamente nas organizações de base que a mais de trinta anos era promovido pelo Padre Edgardo Montaldo. Essa estrutura religiosa, social e ético encontrada por Pocho Lepratti, era o que ele buscava para trazer as realidades terrestres sua opção pelos pobres.

Pocho entre muitas outras atividades, participou e promoveu a formação de uma dúzia de grupos de crianças e jovens nos municípios de Rosario.

Entre os grupos que criou e coordenou no bairro Ludueña inclui Coordenador da Juventude do Sagrado Coração, La Vagancia (este foi o primeiro grupo formado), Los Gatos, Cabelos Duro, Grupo São Caietano, entre outros.

Ele também participou de mecanismos de coordenação com outros grupos, tais como a revista The Tin Angel, Movimentos Los Chicos del Pueblo e todas as comunidades eclesiais de base, entre as quais a partir do Pé e Poryajhú ("pobre" em Guarani).

No mesmo bairro Ludueña Claudio promoveu a realização de cursos de formação e oficinas. Um incentivador para a criação de galinhas através da sua participação nos pomares ProHuerta.

Ele contribuiu para a multiplicação de oficinas nos bairros dentro do qual foram formados grupos de mulheres e jovens em diversas áreas, tarefas de prevenção de saúde, produção de sabão, fabricação de fornos e desenvolvimento de cozinhas comunitárias, etc.

Ele concebeu pelo povo dos jornais noticias do bairro Ludueña e pequena nota, que foram feitas pelas próprias crianças, através da participação em uma oficina de comunicação popular.

Ele participou de projetos de HIV / AIDS, em particularmente em HIV / AIDS e Projeto de Trabalho e ações coordenadas por mais de um ano com o apoio de PROMUSIDA da Prefeitura de Rosário, um projeto de articular os esforços de organizações como a CTC, AMMAR, ATE, CTA, CEDIS, EISEA, SERPAJ, PMSIDA e mais tarde a Biblioteca Popular "O anjo da bicicleta".

Ele entrou para a pastoral da juventude, e em seus esforços para treinar e compartilhar as experiências de organização e luta popular, participou de uma centena de eventos nacionais e internacionais, tais como seminários de Educação Teológica, que comumente era realizado a cada ano, as reuniões e conferências culturais, etc. Ele também participou de encontros e convenções culturais do Partido Socialista Popular.
  
Em 2001, ele viajou para o Brasil onde participou do CURSO DE VERÃO organizado pelo CESEP, onde se encontrou com algumas das experiências mais importantes da organização e luta popular na América Latina, por exemplo, experiencias desenvolvidas pelas comunidades eclesiais de base no Brasil, o Movimento Sem Terra, os zapatistas de Chiapas, no sul do México, o Centro Memorial  Martin L King e centenas de ativistas de base de outros países.
  
Claudio fez ativamente campanha para a organização da luta em solidariedade com os trabalhadores em conflito por meio de manifestações, a instalação de tendas de protesto, greves, etc.

Ele trabalhou na escola do bairro Ludueña conhecida como "a escola de Padre Edgardo Montaldo", onde o Padre Edgardo juntamente com os primeiros jovens e moradores de bairros trabalhou por mais de trinta anos para construir um bairro mais digno para todos. 

Ele também trabalhou na Central Cocina Rosario a partir do final de 1992 até Dezembro de 1996, quando, após um duro conflito envolvendo trabalhadores não docentes das cantinas escolares - entre os que Poncho julgava um papel central na organização - o conflito terminou quando foi conseguido que o Governo Provincial levaria um grupo de trabalhadores, incluindo Pocho foi, e desde então foi que trabalhadores não docente pode continuar trabalhando na Escola 756 do bairro Las Flores, até o dia em que ele foi assassinado.

Em 19 de dezembro de 2001, em meio à crise iria acabar com a queda do presidente Fernando De la Rua, vários polícia que chegaram da cidade de Arroyo Seco, a 30 km ao sul de Rosario começou a disparar na parte de trás da escola. Lepratti subiu para ao telhado para defender os menores que estavam comendo no lado de dentro do colégio. Ele gritava: "seu filhos da puta, não atirem, pois tem crianças comendo!"

O policial Esteban Velasquez disparou sua espingarda Itaka com balas de chumbo acertando uma bala no pescoço de Poncho. Posteriomente Esteban foi condenado a 14 anos de prisão pelo juiz Ernesto Genesio, por homicídio qualificado pelo uso de armas. Além disso, tanto Velasquez como a província de Santa Fé foram condenados a recompensar financeiramente os familiares da vítima por danos. A Direção de Assuntos Internos da polícia provincial tinha reconhecido em um relatório que "o assassinato de ativista social Lepratti ocorreu fora da zona de saque e nos fundos da escola "e que" não se justifica ter efetuado os disparos, mesmo que de caráter intimidatório.

Hoje, existem mais de cinqüenta canções dedicadas ao seu trabalho de formiga e centenas de expressões escritas e artísticas para honrar a sua memória. Ele também tem um monumento em sua homenagem na cidade de Concepción del Uruguay.

El ángel de la bicicleta - Música: Luis Gurevich / Letra: León Gieco

Cambiamos ojos por cielo Sus palabras tan dulces, tan claras Cambiamos por truenos Sacamos cuerpo, pusimos alas Y ahora vemos una bicicleta alada, que viaja Por las esquinas del barrio, por calles Por las paredes de baño y cárceles Bajen las armas!!

Cambiamos fe por lágrimas Con qué libro se educó esta bestia Con saña y sin alma Dejamos ir a un ángel Y nos queda esta mierda Que nos mata sin importarle de donde venimos Que hacemos, qué pensamos Si somos obreros, curas o médicos Bajen las armas!!

Cambiamos buenas por malas Y al ángel de la bicicleta lo hicimos de lata Felicidad por llanto Ni la vida ni la muerte se rinden Con cunas y cruces Voy a cubrir tu lucha más que con flores Voy a cuidar tu bondad más que con plegarias Bajen las armas!


Cambiamos ojos por cielo Sus palabras tan dulces, tan claras Cambiamos por truenos Sacamos cuerpo, pusimos alas Y ahora vemos una bicicleta alada, que viaja Por las esquinas del barrio, por calles Por las paredes de baño, y cárceles Bajen las armas!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário