quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Galeria dos Mártires - Santiago Miller


SANTIAGO MILLER
Mártir da educação libertadora
GUATEMALA –  * 13/02/1982

Irmão Santiago Miller nasceu em uma família de agricultores perto de Stevens Point, EUA, em 21 de Setembro de 1944. Em setembro 1959 entrou para o noviciado júnior de Missouri. Depois de três anos, ele foi admitido como postulante no Noviciado em agosto de 1962.
Em agosto de 1969, depois de emitir os votos perpétuos, foi enviado para a escola da missão dos Irmãos em Bluefields, na Nicarágua. Ensinou lá até que ele mudou-se para Puerto Cabezas, na Nicarágua, em 1974, onde foi diretor. Sob sua liderança, a escola cresceu de 300 a 800 alunos. Ele também aceitou a tarefa de dirigir e supervisionar a construção de dez novas escolas rurais. Superiores religiosos de seu congregação o tiraram Nicarágua em julho de 1979, no momento da revolução sandinista. 
Foi enviado para os Estados Unidos e ensinou em Cretin novamente no outono de 1979 e participou da Renovação sessão em Sangue de Cristo (Novo México), em 1980.
Ele foi enviado para um novo campo missionário na Guatemala, em Janeiro de 1981. Deu aula no ensino médio em Huehuetenango e também trabalhou no Centro Índico, onde foram estudadas as meninas maias indígenas em áreas rurais e na agricultura.
Um dos seus professores o retrata com entusiasmo: "personalidade atraente, aberto e sociável, simpático, nada falso, cativava as pessoas pela sua simplicidade, era muito inteligente e também muito simples". Outra observação foi feita por pessoas da comunidade depois dos seus votos perpétuo disseram sobre sua generosidade, a influência positiva e o forte desejo de trabalhar nas missões. Se lembra dele como "inteligente, mas não intelectual, jovial, de fácil relacionamento, e com profunda fé e amor por sua vocação religiosa."
Seus próprios escritos e declarações mostra-nos o seu caráter e personalidade. 
Em uma de suas últimas cartas antes de sua morte mostra o que ele estava ciente da situação na Guatemala e as possíveis consequências que adviriam para ele. Assim, em janeiro de 1982, escreveu:
"Pessoalmente, estou cansado da violência, mas estou me sentindo profundamente comprometido com o sofrimento pobres na América Central ... Cristo é perseguido por causa da nossa opção pelos pobres. Ciente dos muitos perigos e dificuldades, continuar a trabalhar com a fé e a esperança e confiança na providência de Deus." E disse mais tarde: "Eu sou um Irmão das Escolas Cristãs por quase vinte anos, e meu compromisso com a vocação cresce mais e mais com o meu trabalho na América Central. Peço a graça e o poder de Deus para fielmente servir os pobres e oprimidos da Guatemala. Deixo minha vida em Sua Providência e colocar nele a minha confiança."
Morreu um mês depois de escrever essas palavras. 
Na tarde de 13 de Fevereiro de 1982 recebeu vários tiros disparados quatro homens com os rostos cobertos que invadiram a escola onde trabalhava. Ele morreu na hora, com apenas 37 anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário